Home office está na moda. A possibilidade de poder trabalhar em casa, fazer os próprios horários é a nova onda do momento.

Mas será que estamos sabendo lidar com isso?

Eu trabalhei durante 2 anos em casa. E pra mim, o home office é uma das piores coisas que já inventaram. A solidão me deixava maluca, e foi dessa forma que eu descobri que não sabemos lidar com o trabalho flexível.

Outra coisa que me incomodava muito era estar trabalhando o tempo todo. Ou eu trabalhava demais, ou de menos. Não só pela questão de que trabalhar em casa sozinho às vezes é desmotivador e minha produtividade caia (e depois eu precisava compensar), mas por que eu precisava mostrar – e provar – para todos que eu estava realmente trabalhando (e não simplesmente “de boas” em casa).

Hoje, há mais de um ano gerenciando um Coworking e convivendo todos os dias com pessoas que trabalham sozinhas, observando vários negócios nascendo e entendendo o trabalho flexível de uma nova perspectiva consigo entender melhor por que é tão difícil lidar com o trabalho e o impacto que ele tem nas nossas vidas.

Sempre vimos nossos pais trabalhando. Por isso, criamos um modelo mental sobre o que deveria ser o trabalho:

Estudar muito, fazer faculdade, conseguir um bom emprego, ir para o trabalho, ficar no escritório das 8h às 18h, pagar uma pós-graduação para subir de cargo, nos estressar, nos estressar muito, virar chefe, ganhar mais dinheiro, guardar dinheiro, se aposentar e, então, poder viver a vida que queremos. Fim.

Esse modelo gera muitos conceitos (e preconceitos) com relação ao trabalho – e é isso que dificulta nossa adaptação e aceitação do trabalho remoto como um novo modelo.

A questão é que precisamos pensar o trabalho para o mundo do jeito que ele está agora… e não para o jeito que ele era.

Muita coisa mudou. A começar pela nossa querida internet. Nunca tivemos tanto acesso a informações, pessoas, produtos…

A internet transformou totalmente a forma como lidamos com absolutamente tudo. Mas ainda continuamos lidando – e julgando – o trabalho como se nada tivesse acontecido.

Julgamos o colega que chega as 10h, o que fica até mais tarde e o que chega bem mais cedo. Criamos estereótipos baseados no modelo das 8h – 18h. Julgamos quem trabalha no café ou o colega que está vendo vídeos no youtube.

Nos julgamos quando não chegamos as 8h no trabalho. Trabalhamos até tarde para mostrar serviço. Ficamos tristes por que queríamos sair as 18h. Temos vergonha de assistir ao vídeo que tem tudo a agregar na nossa vida (mesmo que ele não seja de trabalho). Temos vergonha de sermos vistos no mercado às 3 da tarde, ou no cabeleireiro às 14h.

O que nos impede de adaptar o nosso trabalho ao mundo que vivemos hoje são as nossas crenças sobre ele.

Tem quem não gosta de trabalhar de manhã, tem quem é mais produtivo a tarde. Tem quem tem reuniões com clientes em outros fuso-horários. Tem quem entrega para todo o Brasil e tem pico de vendas as 3h da manhã. E tudo bem.

A questão é que precisamos criar relações mais saudáveis com o trabalho.

E as perguntas que eu te faço para te ajudar nesse caminho são:

  • Por que você trabalha?
  • Quando você é mais produtivo? Onde você é mais produtivo?
  • Você quer liberdade para fazer o que?
  • Quais são suas crenças sobre o trabalho? Quais você gostaria de mudar para ser mais feliz?
  • Quem é você além do seu perfil no Linkedin? O que gostaria de fazer?
  • Quantas horas você precisa trabalhar por dia para fazer o que precisa ser feito?
  • Como o seu cliente adquire felicidade pelo trabalho que você presta?

Trabalho flexível não tem nada a ver com tecnologia, coworking ou coisas assim: tem a ver com aceitação, autoconhecimento, propósito e equilíbrio. Se você tem uma equipe ou sócios, também tem tudo a ver com confiança.

O trabalho com certeza é um caminho para a felicidade e realização. Passamos boa parte do nosso tempo envolvidos com isso, e é por isso que acredito que trabalho e felicidade precisam estar intimamente ligados. A sua felicidade e a do seu cliente.

Ter um trabalho com significado também é importante quando falamos de trabalho flexível. Assim fica mais fácil, pois trabalhamos para gerar felicidade para o nosso cliente não importa onde, quando e nem como.

Aí eu te pergunto: por que ainda não sabemos lidar com o trabalho?

A resposta passa por essa percepção:

precisamos entender que não é sobre ter uma mesa de ping pong na sua empresa – é sobre ter um novo comportamento com relação ao trabalho.

Quais mudanças você vai fazer para ter uma relação mais saudável com o seu?

Oi, eu sou a Lívia Marostiga!

Apaixonada por marketing, colaboração e empreendedorismo, aqui no One Coworking conecto pessoas e negócios por meio de nossos planos, eventos e interações no cafézinho!